Calendário

Fevereiro 2023
Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

Comissão Complementar à Autodeclaração registrou 2 mil atendimentos em 2022

Comissao ComplementarA Comissão Complementar à Autodeclaração Étnico-racial da UFMG encerrou suas atividades de 2022 com seminário de avaliação na sexta-feira, 21 de outubro. O evento, realizado na Sala de Sessões, no prédio da Reitoria, reuniu parte dos estudantes, servidores técnico-administrativos e docentes que compuseram as bancas de heteroidentificação ao longo do ano. Esses grupos são responsáveis por confirmar ou não a autodeclaração étnico-racial dos candidatos aprovados via Sistema de Seleção Unificada (Sisu) que optaram pelas vagas reservadas a pessoas negras egressas de escolas públicas.

O vice-reitor Alessandro Fernandes Moreira abriu o evento e reforçou a importância das bancas de heteroidentificação, instrumento que contribui para amadurecer o processo de cumprimento da Lei de Cotas na Universidade, principalmente em um momento em que a instituição avança na política de reserva de vagas, não apenas na graduação e nos concursos para servidores técnico-administrativos, mas também na pós-graduação e no magistério superior.

As bancas de heteroidentificação foram implementadas na UFMG em 2019. No primeiro semestre de 2021, a Comissão Permanente de Ações Afirmativas e Inclusão da UFMG (CPAAI/UFMG), vinculada ao Gabinete da Reitora, divulgou, pela primeira vez, uma chamada pública para estudantes, servidores técnico-administrativos e docentes interessados em atuar na Comissão Complementar à Autodeclaração Étnico-racial. Ao longo dos sete dias, foram recebidas quase 200 inscrições.

Dos inscritos, cerca de 60% eram mulheres, 80% se autodeclararam negros, e 75% eram estudantes. Todos passaram por treinamento antes de iniciarem o trabalho nas bancas. Ao longo dos meses de fevereiro, março, agosto e setembro de 2022, foram formadas cerca de 40 bancas, com cinco membros cada uma. Juntas, atenderam mais de dois mil candidatos aos cursos de graduação da UFMG.

Letramento racial
Na avaliação do professor Rodrigo Ednilson de Jesus, presidente da Comissão de Ações Afirmativas e Inclusão da UFMG, "além de ser importante mecanismo de acompanhamento e avaliação da efetividade das políticas afirmativas dirigidas à população negra, as bancas de heteroidentificação cumprem importante papel pedagógico de letramento racial, permitindo aos estudantes oriundos do ensino médio e à comunidade acadêmica aprofundar as reflexões sobre relações raciais, as políticas de ações afirmativas e a identidade racial no Brasil".

Em novembro, será lançada nova chamada pública para a composição da Comissão Complementar à Autodeclaração Étnico-racial da UFMG. O objetivo é envolver novos membros da comunidade acadêmica interessados em atuar nas bancas.

Medicina e branquitude
No evento de sexta-feira, os participantes compartilharam suas experiências como integrantes da comissão e assistiram à apresentação dos resultados da tese de doutorado de Tiago Heliodoro Nascimento. O pesquisador defendeu seu trabalho em outubro no Programa de Pós-graduação em Antropologia da UFMG, sob orientação da professora Érica Renata de Souza. A tese, Entre a medicina e a branquitude: as políticas de ações afirmativas em um ambiente de formação médica em Belo Horizonte, observou, entre outros aspectos, como as políticas de ações afirmativas para pessoas negras nas universidades públicas federais têm impactado o autorreconhecimento racial de pessoas brancas.

Tiago Heliodoro Nascimento relatou que, durante a pesquisa, percebeu que as bancas de heteroidentificação racial têm feito algo incomum na vida de pessoas brancas. "Nos cursinhos preparatórios, em família, nos momentos que precedem a inscrição no Sisu, elas têm refletido e conversado sobre a própria condição racial. Em um país que escamoteia o racismo com o discurso de que não é possível dizer quem é negro, fazer pessoas se reconhecerem como parte do grupo para quem o racismo oferece privilégios é um movimento muito potente para a luta antirracista", destacou o pesquisador.

As conclusões da tese de Tiago Heliodoro serão apresentadas na própria Faculdade de Medicina da UFMG na quinta-feira, 3 de novembro, às 18h, na sala 62 da unidade. .

Saiba mais sobre as bancas neste vídeo produzido pela TV UFMG.

(Centro de Comunicação da UFMG)